Na atualidade, a obesidade é considerada um importante problema de saúde pública, inclusive no Brasil. Mais da metade da população apresenta este quadro (sobrepeso ou obesidade), e o seu impacto para a saúde e a mortalidade por conta das doenças crônicas já toma grandes proporções. O comportamento alimentar de um indivíduo, que é um dos fatores condicionantes mais próximos do seu estado nutricional, corresponde não apenas aos chamados “hábitos alimentares” desse indivíduo, mas sim todas as práticas relativas à alimentação, desde a seleção até o consumo do alimento.

Este trabalho tem como objetivo analisar os componentes formadores do comportamento alimentar e o modelo transteorico atuando no processo do emagrecimento e como esses componentes influenciam em suas escolhas alimentares. Um estudo de revisão bibliográfica que buscou uma melhor compreensão, análise, comparação e reflexão do comportamento alimentar e dos estágios de modelo transteórico, que mostra quando ocorre a mudança e qual preparação para a próxima fase, ou seja, o grau de motivação.

Vários fatores desencadeiam comportamentos de consumo alimentar que se distanciam do que seria uma alimentação adequada e saudável, isto é, adequada as circunstâncias socioeconômicas, culturais e ambientais em que vivem as pessoas, e saudável no modo como são respostas as necessidades do organismo humano. 

Ganhou visibilidade o consumo excessivo de alguns “vilões”, como refrigerantes, biscoitos e vários alimentos vendidos em redes de fast-food. Assim entender cada etapa de mudança de comportamento e discernir as necessidades psicológicas e fisiológicas que ajudam na perda e manutenção do peso, lembrando que a reeducação alimentar com base em teor de fibras e atividade física são primordiais para alcançar total qualidade de vida, saúde e longevidade.